21/11/2017

Aurora na construção

Após sofrerem com queda das vendas, inadimplência e distratos, ações das incorporadoras voltam a subir. Veja quais são as recomendações dos analistas

Mineiramente, Rafael Menin, um dos co-presidentes da MRV, trabalhou em silêncio durante uma das piores crises da construção civil. Entre 2015 e 2016, enquanto suas concorrentes tentavam, freneticamente, desovar a miríade de apartamentos novos encalhados, a MRV desacelerou. Menin aprimorou a gestão e se dedicou, pessoalmente, a comprar terrenos. Os lotes estavam baratos devido à demanda arrefecida, e Menin fechou bons negócios. “Só agora começamos a lançar os empreendimentos construídos nesses terrenos”, diz. “Nossa meta é elevar as vendas para 50 mil unidades por ano.” Neste ano, ele espera vender 35 mil unidades.

Essa estratégia permitiu à MRV lucrar R$ 202 milhões no terceiro trimestre, avanço de 43% ante o período anterior. Até a terça-feira 14, suas ações haviam subido 21,9%, acima dos 17,6% do Índice Bovespa. Seu valor de mercado atingiu R$ 5,7 bilhões, o mais alto do setor. Há uma boa razão para isso. A MRV constrói apartamentos para clientes de baixa renda. Eles têm crédito da Caixa Econômica Federal, o que reduz a inadimplência. Por isso, as ações da construtora estão entre as preferidas dos analistas.

Nossa meta é elevar as vendas para 50 mil unidades por ano – Rafael Menin, co-presidente da MRV

O otimismo do mercado não se limita à empresa mineira. Passada a tempestade, as companhias voltadas para os segmentos residenciais de média e alta renda também retomam gradativamente o fôlego. Um dos principais problemas enfrentados durante a crise foi a contração do crédito por parte dos bancos. Como consequência, o percentual de distratos, a desistência da compra no momento da entrega das chaves, disparou. “Em 2015 e 2016, o distrato chegou a cancelar 50% das entregas do setor”, diz Bruno Mendonça, analista do Santander. Isso abalou os alicerces financeiros dessas companhias. “Em 2017, com um cenário macroeconômico mais favorável, de queda dos juros e retomada do crédito, o setor inicia um novo ciclo”, diz Mario Mariante, analista da Planner Corretora.

O indicador usado pelos analistas para justificar essa afirmação é a comparação entre a dívida e o patrimônio das empresas. Quanto menor esse percentual, menos arriscada é a ação. As sugestões incluem três empresas, além da MRV. A ação considerada mais segura é da EZTec. Ela desfruta de uma situação rara: seu caixa supera sua dívida líquida. No terceiro trimestre, a companhia multiplicou o lucro líquido por seis na comparação anual, para R$ 280,3 milhões. A cifra foi impulsionada pela venda da Torre B do EZ Towers para a Brookfield, por R$ 650 milhões. “Foi a empresa que errou menos na quantidade de lançamentos em 2011, e por isso hoje opera com um baixo nível de estoque. Apesar disso, a ação está valorizada para a entrada neste momento”, diz Mendonça. O papel acumula alta de 45% no ano, negociado a R$ 21,57.

No meio do caminho está a Cyrela. Afetada por uma queda na receita, ela teve um prejuízo de R$ 6,8 milhões no terceiro trimestre. No entanto, a relação entre dívida e patrimônio é considerada baixa: a dívida representa 22,8% do patrimônio. Felipe Martins Silveira, analista da Coinvalores, recomenda o papel. Com alta de 20% no ano, e a R$ 12,30, a cotação está atrativa, diz. O mercado deve ficar atento ao estoque de apartamentos prontos da construtora. Esses imóveis parados têm custo. A construtora tem de pagar IPTU e taxas de condomínio, como qualquer proprietário, o que pode pressionar o resultado da empresa. A Cyrela vale hoje R$ 4,6 bilhões no mercado.
Das três ações recomendadas pelos analistas, a Even é considerada a mais arriscada, algo compensado por seu potencial maior de valorização. A dívida representa 56,7% do patrimônio. “Essa alavancagem maior não chega a ser um problema, pois a empresa tem pagamentos a receber para fazer jus às dívidas”, diz Silveira. No terceiro trimestre, a companhia apresentou prejuízo líquido de R$ 25,6 milhões na comparação anual. O resultado ainda foi afetado pela pelos distratos, que somaram R$ 118 milhões. Entretanto, a receita cresceu 35%, para R$ 488,2 milhões. “A empresa tem um projeto relevante de construir um hotel na Vila Nova Conceição. Acreditamos que esse empreendimento possa reduzir a alavancagem no médio prazo”, diz Silveira. As ações da Even sobem 35% no ano.

Na ponta negativa, analistas apontam PDG e Rossi como os piores casos. A PDG chegou a ser a empresa mais valiosa do setor no fim de 2010, quando valia R$ 11 bilhões. Hoje, vale R$ 115 milhões, queda de 98,9%, apesar da alta de 87,4% nas ações desde janeiro (veja gráfico). No ano passado, a Rossi chegou a valer magros R$ 45 milhões. Embora mostre uma recuperação tímida neste ano, analistas olham com desconfiança a alta de 128% das cotações no ano. “As empresas superestimaram a demanda e lançaram muitos imóveis entre 2011 e 2013”, diz Mendonça. “Com a crise, esses lançamentos ficaram encalhados e as companhias passaram a adotar a política de dar descontos para comercializá-los.” Além dos abatimentos, a geração de caixa também foi afetada pela queda dos preços dos imóveis. Descontada a inflação, o preço do metro quadrado caiu de 25% a 30% nos últimos três anos.

Na avaliação de Flavio Amaury, presidente do Secovi-SP, o mercado começa a mostrar uma recuperação neste ano. Porém, se o movimento será sustentável vai depender da continuidade da queda dos juros e de uma redução mais sustentada no desemprego, hoje em 12,6%. “A aprovação da reforma da Previdência é essencial para a estabilidade da economia”, diz.

Galeria de Fotos

Últimas notícias

02/06/2021

MRV destaca mulheres que fazem pedidos de casamento

Campanha criada pela SunsetDDB fala em empoderamento feminino e apresenta promoção para Mês dos Namorados

Saiba Mais

13/05/2021

MRV tem lucro maior no 1º trimestre, mas proteção contra inflação queima caixa

MRV tem lucro maior no 1º trimestre, mas proteção contra inflação queima caixa MRV tem lucro maior no 1º trimestre, mas proteção contra inflação queima caixa

Saiba Mais

13/05/2021

MRV vende mais do que o esperado nos EUA e avalia acelerar projetos

A MRV avalia revisar para cima seus planos de crescimento nos Estados Unidos, maior mercado imobiliário do mundo. A brasileira é dona da AHS

Saiba Mais

05/05/2021

MRV reforça marca com manifesto

A empresa conta como espera e planeja o futuro, construindo inovações que reduzem o impacto ambiental e social, promovendo o acesso de todos os brasileiros a um lar digno e de qualidade

Saiba Mais

23/04/2021

MRV paga R$ 130,6 milhões em dividendos

Proventos são pagos no dia 11 de maio; dividendos são parcela de lucro das empresas distribuídas aos acionistas

Saiba Mais

23/04/2021

Abrainc: continuidade de obras do MCMV é fundamental para gerar empregos e renda

Saiba Mais

09/04/2021

Um mercado resistente ao vírus

Juros ainda baixos, boa oferta de apartamentos, fim das viagens e menores gastos com lazer direcionam recursos para a compra do imóvel novo

Saiba Mais

09/04/2021

O plano americano das empresas

Sinais de recuperação da economia, vacinação avançada, pacote trilionário do governo e resgate das políticas ambientais fazem empresas brasileiras aumentar a aposta nos Estados Unidos.

Saiba Mais

Compartilhe essa informação com seus amigos, familiares e conhecidos.