Relacionamento com o cliente

08/02/2012

Canteiro de obras de minicidade em Franca tem ritmo de fábrica

As obras da MRV no Franca Garden transformam o terreno de mais de cem mil metros quadrados numa verdadeira fábrica.

Sete horas em ponto a sirene soa no canteiro de obras do Condomínio Franca Garden para mais um dia de trabalho, que se estende até as 17h. Para os motoristas e pedestres que passam apressados pelas avenidas Santa Cruz, Ismael Alonso Y Alonso e Alagoas é difícil imaginar que atrás dos muros 250 pessoas (em alguns dias, até 350) entre 18 anos e 40 anos estão construindo uma minicidade.

O condomínio, maior obra em andamento em Franca, terá 44 blocos de quatro andares com 1.408 apartamentos, que deverão abrigar mais de 5 mil moradores, o equivalente à população de Ribeirão Corrente.

As obras da MRV Engenharia, construtora responsável pelo empreendimento, transformam o terreno de mais de cem mil metros quadrados numa verdadeira fábrica. Os funcionários têm cartão de ponto, trabalham nove horas diárias e têm direito à uma hora de almoço. O esquema de produção em série permite agilidade no andamento das obras e evita desperdício de materiais.

Na central de betoneiras, por exemplo, dez máquinas trabalham o dia inteiro no preparo de massas para rebocar os prédios, assentar tijolos e pisos. Na central de armação, uma equipe se encarrega de preparar as ferragens para o esqueleto que dará forma à minicidade. Caminhões, tratores e empilhadeiras agilizam o transporte de materiais pela extensa área. Nos dias de chuva, os tratores são usados também para amenizar os transtornos com o lamaçal formado no terreno.

Há obras em todos os estágios. Alguns blocos estão na etapa de fundação, enquanto outros já estão próximos da conclusão, com previsão de entrega para os próximos meses. Trabalham juntos pedreiros, encanadores, pintores, eletricistas, gesseiros, maquinistas e outros.

O canteiro de obras reúne diferentes sotaques. Dos 250 funcionários, 120 são francanos. Os outros vieram de cidades da região como São José da Bela Vista, Restinga e Cássia (MG) ou são “importados” de Estados nordestinos como Bahia, Piauí e Ceará. “Uma das vantagens de contratar profissionais vindos do Nordeste é a disposição que eles têm. Eles vêm muito focados no trabalho e isso faz uma grande diferença no resultado”, disse o engenheiro civil Lúcio Limonti Taveira, um dos responsáveis pela obra.

O pedreiro Rafael Soares de Araújo, 18, é um dos cearenses empenhados em construir no Sudeste uma vida melhor. Ele deixou São Raimundo com os três irmãos de 32, 28 e 21 anos e viajou dois dias inteiros para chegar ao Estado de São Paulo. Os quatro estão hospedados numa pensão no Centro, paga pelo empregador. Trabalham no Franca Garden junto com cerca de 50 conterrâneos. “Aqui é ótimo para conseguir emprego. Lá não tinha emprego direto, aqui é mais concorrido. Ganho no mínimo R$ 2 mil por mês. Lá no Ceará tirava a metade disso”, disse Rafael.

O cearense já trabalhou em outras obras em cidades paulistas, como Aricanduva e Ribeirão Preto, e pretende ficar mais sete meses em Franca antes de regressar a sua cidade para passar uma temporada com os familiares. Rafael costuma dizer que levanta as paredes de forma “ligeira”, usando uma técnica de agilizar a construção que trouxe do Ceará. Ele utiliza um filete de madeira no lugar da colher de pedreiro para espalhar o cimento nos blocos de concreto. “Consigo passar a massa em dois blocos de uma vez, enquanto que com a colher conseguiria passar só em meio bloco. Também gasta menos material.”

 Terceirizadas

A MRV trabalha com equipe própria e terceiriza uma parte dos serviços. Funcionários vindos de outras cidades ficam em casas alugadas, que são transformadas em alojamentos. O empreiteiro Paulo César Cruz, encarregado geral da empresa BA da Silva Construções, de Franca, é um dos contratados pela construtora. Dos 17 funcionários que mantém, 12 trabalham no Franca Garden na parte de alvenaria, pintura, revestimento e reboco. A faixa salarial dos contratados varia de R$ 2,7 mil a R$ 3,5 mil, segundo Paulo César. “É raro um pedreiro, um pintor tirar menos de R$ 2 mil.”

A construção do Franca Garden começou em 2009. A previsão é concluir tudo no fim do ano que vem. 

Hora da bóia

 Todos os dias, os funcionários que erguem o Condomínio Franca Garden chegam antes das sete horas da manhã. Antes de pegar as ferramentas de trabalho, tomam café da manhã no refeitório, construídos com madeira e telha eternite no canteiro de obras.

Oferecido pela MRV, a pequena refeição consiste em pão com manteiga e/ou recheado com presunto e mussarela ou mortadela, leite ou café. Eles também ganham uma fruta - laranja, maçã ou banana.

A maioria dos operários leva marmita para o almoço. Elas ficam acondicionadas em marmiteiros, que são estruturas de dois andares, com suportes, cobertos com água, que são ligados na rede elétrica para, a partir das 9 horas, esquentar a comida em banho maria até 11 horas, quando as equipes param o serviço para almoçar.

Quem não leva marmita de casa pode comprar um prato feito ou marmitex por R$ 6 preparados na cozinha construída anexa ao refeitório. Com marmita ou marmitex, todos têm que almoçar no refeitório.

Durante e após o almoço, a televisão fica ligada no canal de esportes. Além de assistir à TV, os operários aproveitam o pós-almoço para bater papo ou tirar um cochilo. O refeitório tem paredes revestidas de azulejos, pias e bancadas de mármore e fogões industriais. “Seguimos as regras da ANR-18, do Ministério do Trabalho, que exige os refeitórios e outros detalhes de estrutura”, disse o engenheiro civil Lúcio Limonti Taveira, um dos responsáveis pela obra.

Outra regra observada no canteiro é o uso de equipamentos de segurança, mesmo pelos visitantes. Para circular pelo canteiro de obras do Condomínio Franca Garden é obrigatório o uso de capacetes. O número de banheiros-vestiários também segue as normas do Ministério do Trabalho: um banheiro para cada dez funcionários e um chuveiro para cada 20 pessoas, todos instalados em containeres. O escritório está montado no salão de uma das quatro futuras áreas de lazer do complexo.

Para facilitar e agilizar a comunicação dentro do condomínio, os funcionários da parte administrativa adotaram rádios walk talk. São 20 aparelhos ligados dez horas por dia. Para não haver confusão de nomes, cada funcionário foi apelidado com um código, F1, F2, F3 etc. “Os apelidos facilitam a comunicação porque temos muitas pessoas com nomes repetidos”, disse o engenheiro Lúcio.

Últimas notícias

02/10/2019

MRV CHEGA AOS 40 ANOS COM MERCADO CONSOLIDADO

Saiba Mais

01/10/2019

Capitalismo é visto por empresário como gerador de melhorias para a sociedade

Construtora investe em tecnologias que permitem reduzir os custos e o tempo de execução do projeto

Saiba Mais

01/10/2019

40 anos transformando sonhos em realidade

Saiba Mais

30/09/2019

País só terá sucesso se pacificar a política, diz controlador da MRV

Rubens Menin diz também que não dá para crescer se a classe média ficar para trás

Saiba Mais

29/09/2019

Vizinhos vão compartilhar compras no futuro próximo, diz construtor

Para um dos principais empresários do setor, internet das coisas vai mudar a forma de morar

Saiba Mais

20/09/2019

Dia da árvore: MRV plantou mais de 5,6 mil árvores no Paraná em 2019

Saiba Mais

29/08/2019

MRV contrata estudantes de engenharia para trabalhar em BH e mais 12 cidades mineiras

Inscrições para o programa de estágio da construtora podem ser feitas até do dia 15 de setembro

Saiba Mais

24/08/2019

Nova maternidade é inaugurada em Novo Hamburgo

Hospital de Novo Hamburgo realiza, em média, 250 partos por mês, obras tiveram um investimento de R$ 500 mil

Saiba Mais

Compartilhe essa informação com seus amigos, familiares e conhecidos.

<<<<<<< .mine ||||||| .r750 ======= >>>>>>> .r765