09/04/2021

Um mercado resistente ao vírus

Juros ainda baixos, boa oferta de apartamentos, fim das viagens e menores gastos com lazer direcionam recursos para a compra do imóvel novo

MRV
A pandemia causou um estrago generalizado na economia, mas alguns segmentos conseguiram manter sua força. É o caso da construção e venda de imóveis novos, que têm mostrado bom desempenho também em 2021. A construção cresceu 10% em 2020 e a expectativa é de nova expansão de 5% neste ano. Já a incorporação de imóveis, atividade que anda junto e lida mais com os estoques, teve expansão de 26,1% no volume de vendas e 1,1% nos lançamentos em 2020. Entre as novas estratégias, as construtoras e incorporadoras adotaram a venda de forma remota, o que manteve o interesse dos clientes durante o isolamento social.

O ritmo de vendas e lançamentos se mantém, diz Luiz França, presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc). “O mercado está aquecido porque os juros estão baixos. As pessoas compram com o objetivo principal de morar no imóvel. Adquirir para investir ainda é secundário”, diz. O mercado não se retraiu mesmo com o novo ciclo de expansão da taxa Selic, iniciado pelo Banco Central no último dia 17. Foi a primeira alta após seis anos. Segundo ele, eventuais aumentos nas taxas básicas de juros não preocupam. Alguns empresários lembram que 2020 foi marcado pelo forte crescimento do segmento popular, que é mais vulnerável ao aumento dos preços.

Mesmo assim, o temor não é grande se o crescimento dos juros for moderado. “Calculo que hoje 75% do mercado brasileiro é formado por consumidores dessa faixa, com renda mensal familiar de até R$ 4 mil. A taxa Selic já subiu para 2,75% ao ano. Até 4% ou 4,25% ao ano, o mercado imobiliário tem como absorver esse aumento dos juros, sem repassá-lo para o cliente”, diz Celso Petrucci, economista e vice-presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

No total, foram vendidas 119.911 unidades no ano passado, e lançadas 113.191, entre casas e apartamentos novos. Do total de vendas, 77,8% foram de apartamentos e casas da faixa popular. Os dados são da Abrainc e da CBIC. Segundo a Abrainc, o déficit habitacional é maior na região Sudeste, onde faltam 3,1 milhões de moradias. Nacionalmente, faltam 7,79 milhões de moradias. Os números incluem pessoas que comprometem mais de 30% da renda com aluguel e por isto gostariam de comprar uma casa ou apartamento.

Casa nova

A crise sanitária acabou impulsionando a área. Muitos consumidores gastaram suas economias na compra do apartamento novo ao invés de aplicarem em viagens ao exterior e automóveis de luxo, no caso da classe média alta. Nas classes média e popular, os cortes atingiram viagens dentro do Brasil e idas a restaurantes, shoppings e bares. O contador Aldenor Fernandes dos Santos vive com a esposa Lúcia Maria, psicóloga, e dois filhos em Curitiba (PR).

Segundo ele, a compra de um apartamento novo “foi uma oportunidade” que surgiu no bairro do Cabral, na zona Norte da capital paranaense. Santos comenta que morava com a família em um sobrado próprio e por isto adquiriram moradia melhor. “Não conhecia o prédio. Vim olhar o apartamento com a minha esposa em maio passado, em plena pandemia. Gostamos e decidimos comprar”, diz. “Se pudéssemos viajar para o exterior, talvez nem comprássemos o apartamento. Mas viajar ficou impossível em razão da Covid.”

A pandemia direcionou os gastos de todas as classes sociais para o mercado imobiliário, diz Thiago Correa Ely, diretor comercial da MRV, maior construtora residencial brasileira, responsável por 95% das vendas na faixa popular. A companhia atua em 160 municípios e entrou no mercado de renda média em Campinas (SP). As vendas virtuais passaram de 30%, antes da pandemia, para 80%, atualmente, diz Ely. Segundo ele, a alta nos preços dos materiais de construção poderá impor dificuldades ao setor. Ao fim e ao cabo, mesmo um setor que mostrou resistência diante do corona vírus pode enfrentar problemas devido à falta de rumo na política econômica do governo Bolsonaro.

Fonte: Istoé

Últimas notícias

02/06/2021

MRV destaca mulheres que fazem pedidos de casamento

Campanha criada pela SunsetDDB fala em empoderamento feminino e apresenta promoção para Mês dos Namorados

Saiba Mais

13/05/2021

MRV tem lucro maior no 1º trimestre, mas proteção contra inflação queima caixa

MRV tem lucro maior no 1º trimestre, mas proteção contra inflação queima caixa MRV tem lucro maior no 1º trimestre, mas proteção contra inflação queima caixa

Saiba Mais

13/05/2021

MRV vende mais do que o esperado nos EUA e avalia acelerar projetos

A MRV avalia revisar para cima seus planos de crescimento nos Estados Unidos, maior mercado imobiliário do mundo. A brasileira é dona da AHS

Saiba Mais

05/05/2021

MRV reforça marca com manifesto

A empresa conta como espera e planeja o futuro, construindo inovações que reduzem o impacto ambiental e social, promovendo o acesso de todos os brasileiros a um lar digno e de qualidade

Saiba Mais

23/04/2021

MRV paga R$ 130,6 milhões em dividendos

Proventos são pagos no dia 11 de maio; dividendos são parcela de lucro das empresas distribuídas aos acionistas

Saiba Mais

23/04/2021

Abrainc: continuidade de obras do MCMV é fundamental para gerar empregos e renda

Saiba Mais

09/04/2021

O plano americano das empresas

Sinais de recuperação da economia, vacinação avançada, pacote trilionário do governo e resgate das políticas ambientais fazem empresas brasileiras aumentar a aposta nos Estados Unidos.

Saiba Mais

25/03/2021

O plano da MRV para ir além do popular e entregar R$ 18 bilhões em vendas

Em entrevista ao Conexão CEO, Rafael Menin, copresidente da MRV, detalha a estratégia da empresa para criar um ecossistema de diferentes modelos de habitação, os planos de expansão e as perspectivas de listagem ou busca de sócios para essas novas operações

Saiba Mais

Compartilhe essa informação com seus amigos, familiares e conhecidos.