Relacionamento com o cliente

Português Inglês
08/05/2018

MRV NO GVCES CENTRO DE ESTUDOS DE SUSTENTABILIDADE

MRV NO GVCES CENTRO DE ESTUDOS DE SUSTENTABILIDADE

Em 2017, a MRV e empresas integrantes da Iniciativa Empresarial do GVCes (Centro de Estudos de Sustentabilidade da FGV) presente no Grupo de Trabalho em Inovação e Sustentabilidade na Cadeia de Valor (ISCV) dedicaram-se ao estudo da norma ISO 20.400, uma diretriz internacional para as compras sustentáveis. No Ciclo 2017, quatro empresas do grupo implementaram projetos piloto de Matriz de Risco dos Fornecedores - a partir da metodologia desenvolvida por ISCV - e duas delas têm suas experiências apresentadas na publicação do ISCV, sendo uma delas a MRV.

A publicação contribui para o avanço na integração da sustentabilidade na função de compras e para o aprimoramento da gestão de riscos nas cadeias de suprimentos para as empresas.

O que é a ISO 20.400? A norma ISO 20.400: Compras Sustentáveis – é um padrão internacional que fornece orientação às organizações públicas e privadas na integração da sustentabilidade às suas compras, independentemente da sua atividade ou porte. A norma tem como objetivo auxiliar as organizações a minimizar impactos negativos de suas compras e maximizar impactos positivos, por meio de diretrizes para a implementação de um processo de Compras Sustentáveis, assegurando que os produtos ou serviços que a organização adquire ofereçam o menor impacto negativo possível para o meio ambiente e o maior impacto econômico e social positivo possível, além de serem vantajosos economicamente.

Como foi desenvolvida a Matriz de Riscos dos Fornecedores da MRV? Diante do grande número de fornecedores, montante financeiro gasto anualmente com a compra de materiais e equipamentos e com a contratação de serviços, a MRV optou por realizar o projeto piloto para elaboração de matriz de risco da cadeia de fornecedores. O processo de construção da matriz teve início com a avaliação de diversos documentos e referências normativas - como ISO 14.001 (Sistema de Gestão Ambiental), ISO 26.000 (Responsabilidade Social), ISO 9.001 (Sistema de Gestão da Qualidade), ISO 20.400 (Compras Sustentáveis), bem como as regras do programa Empresa Pró-Ética da Controladoria Geral da União - a fim de subsidiar a definição dos fatores de exposição a risco. Uma vez definidos os fatores de exposição a risco, a equipe de sustentabilidade, auditoria e de gestão de riscos e suprimentos se reuniram para definir a estrutura da matriz e para determinar a metodologia a ser utilizada para a quantificação dos riscos, ou seja, os pesos e as escalas adotados para cada um dos fatores definidos. Ainda, foi estabelecido que a matriz de risco deveria ser aplicada aos fornecedores de materiais e serviços de maior volume de fornecimento, maior impacto financeiro e maior risco de sustentabilidade. A matriz foi, então, construída a partir do escopo definido, de forma que as categorias de compras foram classificadas em risco baixo, médio, moderado ou alto. De acordo com o risco encontrado, foram definidos controles e ações específicos, incluindo a implementação de due diligence para as categorias de alto risco. A MRV entende que a elaboração da matriz de risco da cadeia de fornecedores colaborou para o aprimoramento da análise de riscos que já era feita pela companhia, uma vez que essa análise se estendeu para a sua cadeia de fornecedores e incorporou aspectos de sustentabilidade; bem como aprimoramento de seus processos de compra e contratação.


Email enviado com sucesso!

Compartilhe essa informação com seus amigos, familiares e conhecidos.