01/10/2019

Capitalismo é visto por empresário como gerador de melhorias para a sociedade

Construtora investe em tecnologias que permitem reduzir os custos e o tempo de execução do projeto

A MRV, maior construtora e incorporadora residencial da América Latina, chega aos 40 anos. Com ações negociadas na bolsa paulista desde 2007, hoje a empresa é avaliada em R$ 6,88 bilhões. No segmento da baixa renda, sua participação de mercado chega a 59% e, nos últimos três anos, foram aportados em torno de R$ 580 milhões em obras de melhoria de infraestrutura no entorno de seus empreendimentos.

Até transformar a MRV em uma das três maiores construtoras do mundo, seu fundador e hoje presidente do Conselho de Administração, Rubens Menin, passou por muitos períodos de chuvas e trovoadas da economia brasileira. Chegou um momento em que a crise do país era tão profunda que, sem ter onde tomar recursos, o mineiro e seus sócios viram como única alternativa para a pequena construtora se desfazer dos próprios carros e das linhas telefônicas, que na época eram consideradas patrimônio e negociadas tanto no mercado formal quanto no informal. O dinheiro serviu para dar sustentação ao negócio até que os tempos bicudos passassem.

Mesmo muito antenado a novas oportunidades de investimento – o empresário é o principal acionista da CNN Brasil, que deve entrar em operação ainda neste ano – e atento a mudanças de comportamento do consumidor, Menin continua a apostar na perenidade da construção. Para o empreendedor, as pessoas sempre vão precisar de um lugar para morar. “Sou um otimista nato, o futuro sempre será melhor do que o passado”, diz o fundador da MRV. “Por isso, em vez de reclamar acredito em lutar, em fazer.”

Atualmente, os dados mostram que Menin está certo em manter a aposta na construção civil. Apesar do aumento de moradias, que resultou na expansão de construtoras como a MRV, o Brasil continua sob o peso do déficit habitacional. Faltam 7,78 milhões de unidades habitacionais, segundo levantamento da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc). Diante do descompasso entre oferta e demanda, ter a casa própria ainda é um dos maiores sonhos da população.

A empresa chega aos 40 anos com novo posicionamento da marca, em um projeto desenvolvido pela Fundação Dom Cabral e pela Interbrand. A MRV passa, a partir de agora, a ser uma provedora de soluções para moradia, não mais uma construtora, conforme foi sendo sedimentado por seus executivos nos últimos anos.

Como plataforma habitacional, a MRV segue construindo imóveis e investindo em novas tecnologias que permitam reduzir o tempo de execução do projeto e os custos. Mas o novo posicionamento inclui também o reforço na área de locação. Neste ano, a companhia lançou um novo braço de negócios, a Luggo, responsável por construir e alugar apartamentos. Por essa razão é que, a partir de agora, a companhia mineira abandona o “engenharia” que usava em seu nome. O logotipo também passou por mudanças e foi construído na interseção dos elementos que formam o desenho da casa. Além disso, ganha agora novas cores.

Por outro lado, diz o empresário, há perspectivas de melhora não apenas para quem sonha financiar um imóvel, mas para os empreendedores que, hoje, ainda sentem no dia a dia os tropeços da economia brasileira. A principal razão para o otimismo de Menin é a redução consistente da taxa de juros do país, que tem barateado o acesso ao crédito. A seguir, trechos da entrevista.

História de quatro décadas
» Presente em 160 cidades e 22 estados, mais o Distrito Federal
» Cerca de 50 mil apartamentos entregues por ano
» Um apartamento entregue a cada dois minutos e meio
» Em torno de 2 milhões de empregos gerados
» Um a cada 200 brasileiros vive em um imóvel construído pela MRV

Havia um costume de se falar que a vida começava aos 40. Com a MRV chegando aos 40 anos, pode começar uma nova fase?

A gente começa uma nova fase todos os dias. Quem não faz isso em uma empresa fica pelo caminho, morre. O meu sonho de consumo é perenizar a MRV. Trabalhar com a casa própria vai permitir isso, porque há muito a ser feito não só no Brasil, mas no mundo. Neste momento em que a empresa chega aos 40 anos, estamos muito motivados, com a mentalidade de quem está em uma empresa nova, com as pessoas cheias de entusiasmo. O passado que construímos até agora foi bacana, mas temos de pensar pra frente.

 

Qual foi o momento mais difícil em quatro décadas de história?

Tomamos um chacoalhão em 1982, quando o país vivia uma baita crise. A empresa era bem menor e no Brasil não havia crédito. Eu e meus sócios tivemos de vender o carro e o telefone para fazer um pouco de dinheiro e colocar na empresa para que ela sobrevivesse ao momento tão difícil. Foi o jeito que encontramos para não sucumbir. Naquela época, eu fazia de tudo. Era engenheiro, era comprador, era cotador. Acabou sendo um bom aprendizado e tivemos coragem para continuar. Quando o mercado começou a se recuperar, estávamos praticamente sozinhos, muito à frente dos competidores. Conseguimos nos consolidar e logo nos tornamos a maior empresa de construção de Belo Horizonte.

E o momento mais marcante?

Foi em 2007, quando fizemos o IPO. Naquele momento, sentimos o reconhecimento do nosso trabalho. A empresa tinha 28 anos e aconteceu ali o maior IPO da indústria da construção. Foi um reconhecimento do que construímos nesse tempo todo. Hoje, temos quase 30 mil investidores no mundo todo.

 "O melhor momento para capturar oportunidades é quando a economia está fragilizada.  Na hora em que o ciclo positivo voltar, estaremos surfando no crescimento”

O que um empreendedor tem de fazer hoje para não sucumbir?

O Brasil venceu, em 1994, a guerra contra a inflação, mas não venceu a dos juros altos. Até hoje, esse é um dos desafios que o país enfrenta. Mas, neste ano, pela primeira vez vemos uma luz no fim do túnel quando falamos de juros. No Brasil, o empreendedor precisa ter muito cuidado com a eficiência financeira para não cair na ciranda dos juros. Todas as empresas que estão caindo não tiveram planejamento adequado e acabaram comprometendo seu caixa. Para mim, a grande notícia são os juros mais baixos. Ainda assim, acredito que alguns vão conseguir seguir adiante, outros não.

Como você vê o futuro da construção civil?

Ha 40 anos, dei sorte na minha escola, porque é muito difícil prever o que vai ocorrer no longo prazo. Muitas empresas, naquela época em que comecei a MRV, não conseguiram prever quais seriam as mudanças que veríamos. Foi assim que uma série de empresas dedicadas a determinados produtos, como o carburador, o CD, o fax e tantos outros itens do dia a dia deixaram de existir. Vejo que essas mudanças são cada vez mais acentuadas, o que torna cada vez mais difícil prever o futuro. Tudo cresce rápido, mas pode acabar rápido também. No caso da MRV, não vejo que a casa própria deixe de ser necessária. Pode até mudar o tipo, a sua concepção, mas sempre estará na vida das pessoas. É como estamos vendo com os carros e os aplicativos, que mudaram a forma como o transporte vinha sendo feito. Mas os carros continuam sendo necessários.

 "Sou um otimista nato, o futuro sempre será melhor do que o passado... Por isso, em vez de reclamar acredito em lutar, em fazer”

 
Qual seria o negócio que você começaria hoje?

O mundo vai se tornar um grande serviço, não tenho dúvida disso. Agora, por exemplo, estou entrando na área de comunicação, que também é serviço, é muito atual e bacana de fazer parte. Mas se tivesse de pensar no futuro, não pensaria em criar mais empresas, mas sim que as existentes hoje em dia estejam ativas e sejam perenes.

Se você tivesse direito a realizar um desejo no aniversário de 40 anos da MRV, qual seria o seu pedido?

O mundo está passando por um momento muito complexo, com uma população cada vez mais com dificuldade. Para mim, as empresas têm de fazer a sua parte. Por isso, acredito na necessidade de ser desenvolvido um novo mecanismo social, com o capitalismo na base de tudo, mas com o objetivo de gerar um benefício maior para a sociedade. Essa vai ser a essência do capitalismo a partir de agora. Não acredito que haja outra opção para os empresários. É o único caminho que temos hoje. É um desafio para o mundo, não só para o Brasil.


Últimas notícias

02/06/2021

MRV destaca mulheres que fazem pedidos de casamento

Campanha criada pela SunsetDDB fala em empoderamento feminino e apresenta promoção para Mês dos Namorados

Saiba Mais

13/05/2021

MRV tem lucro maior no 1º trimestre, mas proteção contra inflação queima caixa

MRV tem lucro maior no 1º trimestre, mas proteção contra inflação queima caixa MRV tem lucro maior no 1º trimestre, mas proteção contra inflação queima caixa

Saiba Mais

13/05/2021

MRV vende mais do que o esperado nos EUA e avalia acelerar projetos

A MRV avalia revisar para cima seus planos de crescimento nos Estados Unidos, maior mercado imobiliário do mundo. A brasileira é dona da AHS

Saiba Mais

05/05/2021

MRV reforça marca com manifesto

A empresa conta como espera e planeja o futuro, construindo inovações que reduzem o impacto ambiental e social, promovendo o acesso de todos os brasileiros a um lar digno e de qualidade

Saiba Mais

23/04/2021

MRV paga R$ 130,6 milhões em dividendos

Proventos são pagos no dia 11 de maio; dividendos são parcela de lucro das empresas distribuídas aos acionistas

Saiba Mais

23/04/2021

Abrainc: continuidade de obras do MCMV é fundamental para gerar empregos e renda

Saiba Mais

09/04/2021

Um mercado resistente ao vírus

Juros ainda baixos, boa oferta de apartamentos, fim das viagens e menores gastos com lazer direcionam recursos para a compra do imóvel novo

Saiba Mais

09/04/2021

O plano americano das empresas

Sinais de recuperação da economia, vacinação avançada, pacote trilionário do governo e resgate das políticas ambientais fazem empresas brasileiras aumentar a aposta nos Estados Unidos.

Saiba Mais

Compartilhe essa informação com seus amigos, familiares e conhecidos.